terça-feira, 17 de janeiro de 2012

LAMENTOS EM CINZAS


Hoje trago os olhos carcomidos e sedentos
E um poço de alfinetes cravados nos dedos
Que roubei na larga rua dos meus lamentos
Onde sou masoquista e omito meus medos

Deixo que se abata a tempestade sobre mim
Até qu’o granizo me despache em pó pr’ó chão
E venham as cinzas aos olhos levar-me por fim
De quantos lamentos habitam em meu coração

Oh, tristeza que me (a)gasta até a palma da mão
Que serei eu senão borralho cuspido na fogueira
De uma mentira que rasgou o fogo a vida inteira?

Oh, não quero mais isto para mim, não quero não
Prefiro que me sopre já o vento e longe me desfaça
E depois sem leme, me derrube e perca a carapaça!

16.01.12

PRINCE - PURPLE RAIN
http://www.youtube.com/watch?v=KAUuqy09mOs

1 comentário:

  1. Um poema muito lindo em uma lamentação de tirar o chapeu.

    abraços

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...